Prévia da inflação, IPCA-15 desacelera e sobe 0,60% em abril, abaixo das estimativas do mercado

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) subiu 0,60% em abril, após registrar alta de 0,93% em março de 2021. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (27) pelo IBGE.

A expectativa do mercado, segundo estimativa média da Refinitiv, era de alta de 0,69% em abril na comparação com março e de 6,26% na comparação anual.

No ano, o IPCA-15 acumula alta de 2,82% e em 12 meses, de 6,17%, acima dos 5,52% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em abril de 2020, a taxa foi de -0,01%. Os dados foram divulgados hoje (27) pelo IBGE.

Com alta de 1,76%, os transportes continuam sendo a principal influência no índice (0,36 p.p.), embora tenham desacelerado em relação ao resultado de março, que teve uma variação de 3,79%. A gasolina (5,49%) permanece como o produto com o principal impacto no índice (0,30 p.p.), ainda que com uma variação menor do que o mês anterior (11,18%). Óleo diesel (2,54%) e o etanol (1,46%) tiveram altas, mas também inferiores às registradas em março – 10,66% e 16,38%, respectivamente.

Os alimentos tiveram variação de 0,36%, superior à alta de março. A alimentação no domicílio passou de queda de 0,03% em março para 0,19% em abril. E o café da manhã ficou mais caro com a alta do pão francês (1,73%) e do leite longa vida (1,75%), cujos preços haviam recuado no mês anterior (-0,11% e -4,50%, respectivamente). As carnes seguem em alta (0,61%), embora com variação menor do que a de março (1,72%).

Ainda no setor de alimentos, outro destaque é a alta de 0,79% na alimentação fora do domicílio, com variações positivas nos dois principais componentes: lanche (1,34%) e refeição (0,57%), que aceleraram em relação a março, contribuindo conjuntamente com 0,04 p.p. no resultado do mês.

Por outro, lado alguns tubérculos como cenoura (-13,58%) e batata-inglesa (-5,03%) apresentaram quedas, assim como frutas (-2,91%) e arroz (-1,44%).

No grupo de saúde e cuidados pessoais, o reajuste, em 1º de abril, de até 10,08%, dependendo da classe terapêutica, acabou impactando o preço dos produtos farmacêuticos, que subiram 0,53%, após terem apresentado queda de 0,29% em março.

Após uma sequência de reajustes nas refinarias em fevereiro e março, houve duas reduções o preço da gasolina no final do mês passado, e o IPCA-15 mostrou uma desaceleração nos combustíveis. No caso de alimentação e bebidas, havia uma desaceleração desde dezembro e em abril voltou a acelerar.

Todas as regiões pesquisadas apresentaram variação positiva em abril. O maior resultado foi observado em Brasília (0,98%), especialmente em função da alta no preço da gasolina (8,37%). A menor variação, por sua vez, foi registrada na região metropolitana de Belém (0,39%), influenciada pela queda no preço do arroz (-5,25%).

Os preços do IPCA-15 foram coletados no período de 16 de março a 13 de abril de 2021 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 12 de fevereiro a 15 de março de 2021 (base).

Aprenda como ganhar dinheiro prevendo os movimentos dos grandes players. Na série gratuita Follow the Money, Wilson Neto, analista de investimentos da Clear, explica como funcionam as operações rápidas.

The post Prévia da inflação, IPCA-15 desacelera e sobe 0,60% em abril, abaixo das estimativas do mercado appeared first on InfoMoney.