Anvisa deve decidir na sexta-feira novos pedidos de importação de Sputnik e Covaxin, diz fonte

Frasco da Covaxin, vacina contra Covid-19 da indiana Bharat Biotech, em Nova Délhi 16/01/2021 REUTERS/Adnan Abidi

BRASÍLIA – Um novo pedido de importação da vacina russa contra Covid-19 Sputnik V apresentado por governadores, e um pedido semelhante feito pelo governo federal para importação da vacina indiana Covaxin, devem ser analisados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na sexta-feira, disse à Reuters uma fonte do órgão regulador envolvida no processo.

De acordo com a legislação aprovada pelo Congresso, a decisão da Anvisa deveria ter sido apresentada até esta terça-feira, mas a agência ganhou mais cinco dias úteis depois que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski, em ação impetrada pelo governo do Maranhão, deu um novo prazo para responder à ação.

Há cerca de 10 dias, os governadores do Consórcio Nordeste encaminharam à Anvisa um relatório técnico pela aprovação da Sputnik V feito pelo Ministério da Saúde da Rússia, cumprindo uma das exigências da agência para autorização excepcional.

No entanto, a documentação ainda foi considerada incompleta e novos materiais ainda estão sendo encaminhados e, de acordo com a fonte, alguns documentos chegaram na segunda-feira e foram, incluídos para análise.

“Com os cinco dias da decisão do STF e novo documento adicionado ao processo, resolvemos explorar o prazo a fim de construir o melhor entendimento sobre o processo”, disse a fonte. “(A decisão) deve ser na sexta-feira.”

A primeira decisão da Anvisa sobre a importação emergencial da Sputnik V aconteceu no final de abril, quando a agência negou o pedido do Maranhão e outros Estados sob a alegação de que não havia documentos que comprovassem a segurança da vacina, especialmente frente a dados que mostravam a possível presença de adenovírus replicante no imunizante.

O Maranhão, assim como os demais Estados, entraram com novos pedidos de importação, e a Anvisa sinalizou que poderia rever a decisão, desde que nova documentação fosse apresentada, respondendo às questões de segurança levantadas pela agência.

Na ação no STF, o governo do Estado questiona a quantidade de documentos pedidos pela Anvisa, alegando que a agência mistura os processos de importação, mais simples, com a autorização de produção da Sputnik V no Brasil pela União Química, e pede mais documentos do que o necessário. A agência nega, e Lewandowski deu cinco dias para que a Anvisa responda à ação.

Ao todo, os governadores do Nordeste têm pré-contratos para aquisição de 65 milhões de doses da Sputnik, à espera da aprovação pela Anvisa. O governo federal planeja comprar outras 10 milhões de doses.

Já sobre a vacina indiana Covaxin, a Anvisa não aprovou inicialmente a qualidade do laboratório produtor da vacina, a Bharat Biotech, após uma inspeção, e depois de alterações, a proposta de importação também será reavaliada.

O governo federal tem um acordo para aquisição de 20 milhões de doses da Covaxin.

Em curso gratuito de Opções, professor Su Chong Wei ensina método para ter ganhos recorrentes na bolsa. Inscreva-se já.

The post Anvisa deve decidir na sexta-feira novos pedidos de importação de Sputnik e Covaxin, diz fonte appeared first on InfoMoney.